It is the cache of http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-65612008000100011. It is a snapshot of the page. The current page could have changed in the meantime.
Tip: To quickly find your search term on this page, press Ctrl+F or ⌘-F (Mac) and use the find bar.

Etnográfica - Uma história de nomes: a alcunha, o primeiro nome e o apelido no Pará, norte do Brasil

SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número1Sobre “nomes de guerra”: classificação e terminologia militaresRecorrências antroponímicas lusófonas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possui artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Bookmark

Etnográfica

versão impressa ISSN 0873-6561

Etnográfica v.12 n.1 Lisboa maio 2008

 

Uma história de nomes: a alcunha, o primeiro nome e o apelido no Pará, norte do Brasil

 

Mark Harris *

 

Este artigo analisa três partes do nome de uma pessoa em três períodos diferentes no Pará, Brasil. O objectivo é verificar se os diferentes aspectos de um nome formam um sistema de relações e como é que esse sistema pode ser afectado por pressões e influências alheias. O que é que as práticas de atribuição dos nomes revelam sobre a pessoa e sobre o jogo de identidades? A discussão procura demonstrar o poder transgressivo dos nomes, a forma como se movem entre contextos e subvertem as convenções. Qual o papel desempenhado pelos nomes entre aqueles que sobreviveram à conquista e aqueles que se instalaram na Amazónia Portuguesa? O Pará é um local interessante para se reflectir sobre estas questões devido à razoável força da cultura ameríndia no período colonial e início do imperial e à sua mistura com as tradições portuguesas. A conclusão sugere que os nomes são veículos fulcrais da continuidade cultural.

Palavras-chave: alcunhas, história do Pará, Cabanagem, ameríndio, ribeirinhos.

 

A story in names: the nickname, the first name and the surname in Pará, northern Brazil

This article examines three parts of a person’s name across three different periods in Pará, Brazil. The purpose is to consider whether the different aspects of a name form a system of relations, and how this system may be affected by extraneous pressures and influences. What do naming practices reveal about the person and the play of identities? The argument seeks to demonstrate the transgressive power of names, the way they move between contexts and subvert conventions. What role did names play amongst those that survived conquest and those that settled in the Portuguese Amazon? Pará is an interesting place to reflect on such questions because of the relative strength of Amerindian culture in the colonial and early imperial period and its mingling with Portuguese traditions. The conclusion suggests that names are central vehicles of cultural continuity.

Keywords: nicknames, history of Pará, missions, Cabanagem, amerindian, ribeirinhos.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

Bibliografia

ALVES FILHO, I., 1999, Brasil: 500 Anos em Documentos. Rio de Janeiro, Mauad Editora.        [ Links ]

BATES, H., 1969, A Naturalist on the River Amazons. Nova Iorque, Everyman’s Library.

BERGER, J., 1979, Pig Earth. Londres, Readers and Writers.

BERNARDINO DE SOUZA, F., 1874-5, Commissão do Madeira: Pará e Amazonas. Rio de Janeiro, Typographia Nacional.

BETTENDORFF, J. F., 1990, Crônica dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. Belém, SECULT.

BROWN, M., 1994, “Beyond resistance: A study of utopian renewal in Amazonia”, em A. Roosevelt (ed.), Amazonian Indians: From Prehistory to Present. Tucson, University of Arizona Press.

CHASTEEN, J., 2000, “Cautionary Tale: A radical priest, nativist agitation, and the origin of Brazilian civil wars”, em R. Earle (ed.), Rumours of Wars: Civil Conflict in Nineteenth-Century Latin America. Londres, Institute of Latin American Studies.

CLEARY, D. (ed.), 2003, Cabanagem: Documentos Ingleses. Belém, SECULT.

—, 1998. “Lost altogether to the civilised world: Race and the Cabanagem in Northern Brazil, 1750 to 1850”, Comparative Studies in Society and History, 40 (1), pp. 109-35.

DAMATTA, R., 1979, “Você sabe com quem está falando?”, em Carnivais, Malandros e Heróis. Rio de Janeiro, Zahar.

DANIEL, J., 2003, O Tesouro do Máximo Rio Amazonas, 2 vols. Rio de Janeiro, Contrapunto.

DI PAOLO, P., 1990, Cabanagem: A Revolução Popular da Amazônia. Belém, Conselho Estadual de Cultura.

FLORENCE, H., 1977, Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas, 1825 a 1829. São Paulo, ­Cultrix.

GONÇALVES, M. A., 1993, O Significado do Nome. Rio de Janeiro, Sete Letras.

GUDEMAN, S., e S. Schwartz, 1984, “Cleansing original sin”, em R. Smith (ed.), Kinship Ideology and Practice in Latin America. Chapel Hill, University of North Carolina Press.

HARRIS, M., 2005, “Riding a wave: Embodied skills and colonial history on the flood plain of the Amazon”, Ethnos, artigo especial sobre “Revisiting the anthropology of knowledge”, D. Boyer (ed.), Junho, 70 (2), pp. 197-219.

HARRIS, M., 2000, Life on the Amazon: The Anthropology of a Brazilian Peasant Village. Oxford, Oxford University Press.

HEMMING, J., 1987a, Amazon Frontier. Londres, Macmillan.

—, 1987b, “Indians and the frontier”, em L. Bethell (ed.), Colonial Brazil. Cambridge, Cambridge University Press.

HURLEY, J., 1936a, A Cabanagem. Belém, Livraria Clássica.

—, 1936b, Traços Cabanos, Belém, Oficina Gráfica do Instituto Lauro Sodré.

JORGE DOS SANTOS, F., 1999, Além da Conquista: Guerras e Rebeliões Indígenas na Amazônia Pombalina. Manaus, Editora da Universidade do Amazonas.

KELLY, A., 1984, “Family, Church and Crown: a social and demographic history of the lower Xingu Valley and the municipality of Gurupá, 1623-1889”, tese de doutoramento, University of Florida.

LEITE, S., 1943, História da Companhia de Jesus no Brasil, tomo IV, livro II. Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro.

LIMA-AYRES, D., 1992, “The social category caboclo: History, social organization, identity and outsiders’ social classification of the rural population of the Médio Solimões”, tese de doutoramento, University of Cambridge.

MAXWELL, K., 1995, Pombal: Paradox of the Enlightenment. Cambridge, Cambridge University Press.

MENDONÇA, Marcos Carneiro de, 1962, Amazônia na Era Pombalina (3 vols.). Rio de Janeiro, Instituto Histórico Geográfico Brasileiro.

MOREIRA NETO, C., 1988, Índios da Amazônia: De Maioria a Minoria, 1750-1850. Petropolis, Vozes.

NUNES DE CARVALHO, F., 1995, “Antroponímia, aculturação e estatuto dos escravos nos primórdios do Brasil”, em M. Beatriz Nizza da Silva (ed.), Cultura Portuguesa na Terra da Santa Cruz. Lisboa, Editora Estampa, pp. 25–34.

PINA CABRAL, J. de, 1986, Sons of Adam, Daughters of Eve: The Peasant Worldview of the Alto Minho. Oxford, Clarendon Press.

—, 1984, “Nicknames and the experience of community”, Man, 19, pp. 148–50.

PITT-RIVERS, J., 1971, People of the Sierra. Chicago, Chicago University Press.

PRADO, C., 1975, Evolução Política do Brasil. São Paulo, Brasiliense.

RAIOL, D. A., 1970 [1865-90], Motins Políticos. Belém, UFPa.

RICCI, M., 2003, “O fim do Grão-Pará e o nascimento do Brasil: movimentos sociais, levantes e deserções no alvorecer do novo Império (1808-1840)”, em M. Del Priore e F. dos Santos Gomes (eds.), Os Senhores dos Rios: Amazônia, Margens e Histórias. Rio de Janeiro, Elsevier.

RODRIGUES, Isabel Vieira, 1999, “A Política de Francisco Xavier de Mendonça Furtado no Norte do Brasil (1751-1759)”, Oceanos, n.º 40, pp. 94-110.

SALLES, V., 1992, Memorial da Cabanagem. Belém, CEJUP.

SCHWARTZ, S., 1996, Slaves, Peasants, Rebels. Urbana, University of Illinois Press.

SCHWARTZ, S., e F. Salomon, 1999, “New peoples and new kinds of people: adaptation readjustment and ethnogenesis in South American indigenous societies”, em S. Schwartz e F. Salomon (eds.), The Cambridge History of the Native People of the Americas, vol. 3. Cambridge, Cambridge University Press.

SOMMER, B., 2000, “Negotiated settlements: Native Amazonians and Portuguese policy in Pará, Brazil, 1758-1798”, tese de doutoramento, University of New Mexico,

STERN, S., 1987, “Introduction”, em S. J. Stern (ed.) Resistance, Rebellion, and Consciousness in the Andean Peasant World, 18th to 20th Centuries. Madison, University of Wisconsin.

VIVEIROS DE CASTRO, E., s.d., “On Tukanoan onomastics”.

WILSON, S., 1998, The Means of Naming. Londres, UCL Press.

 

* Dept. of Social Anthropology, University of St Andrews - mh25@st-andrews.ac.uk