It is the cache of http://www.scielo.oces.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-83122008000200007. It is a snapshot of the page. The current page could have changed in the meantime.
Tip: To quickly find your search term on this page, press Ctrl+F or ⌘-F (Mac) and use the find bar.

Ciência & Tecnologia dos Materiais - Quem Tramau ROBERT HOOKE?

SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número3-4Potentiometric monitoring of sodium borohydride in aqueous solutions“Flogisto”, “Calórico” & “Éter” índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possui artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Bookmark

Ciência & Tecnologia dos Materiais

versão impressa ISSN 0870-8312

C.Tecn. Mat. v.20 n.3-4 Lisboa dez. 2008

 

Quem Tramau ROBERT  HOOKE?

 

Armando A. de Sousa e Brito

 

Sociedade Portuguesa de Materiais

Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial

Instituto de Ciências e Engenharia de Materiais e Superfícies (ICEMS - IST)

 

 

Robert Hooke foi um brilhante cientista que a par de Newton, Boyle, Halley, Huygens,  Leibniz,  protagonizou a Revolução Científica no séc. XVII. Ao seu espírito multifacetado se devem muitas realizações notáveis mas pouco conhecidas, em vastas áreas da Ciência, nalgumas das quais figurando como pioneiro. Mas foi também inquieto, entrando por vezes em acesas polémicas com alguns grandes cientistas seus contemporâneos, entre os quais o implacável Newton. Tem sido por isso injustamente diminuído, acusado de conflituoso e tornando-seum “mal-amado” da Ciência. Dele não resta sequer um retrato! Quem o tramou?

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

[1]  –  Hall, A.R., The Revolution in Science 1500-1750,   Longman, Londres, 1983        [ Links ]

[2]  –  Gordon, J. E., Estruturas – o porqué las cosas no   se caen, Celeste Ediciones, 1990    

[3]  – Encyclopaedia  Britannica, 15ª edição, Londres,  1951.

[4]  –  New Encyclopaedia Britannica, vol VI,        

[5]  –  Dic. Enciclopédico Larousse            

[6]  –  The Encycloaedia. Americana, American Corp,     1958

[7]  –  Damper,  William C., História da Ciência,   IBRASA, S.  Paulo, 1986

[8]  –  Rousseau, Pierre., História das Técnicas e das   Invenções,  Livros do Brasil, Lisboa, 1980  

[9]  –  Diversos, História dos Grandes Inventos, Selecções do Reader’s Digest, Lisboa, 1983

[10]  –  Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira,  Editorial Enciclopédia, 1981

[11]  –  Grand Larousse Encyclopédique ,Ed Lib.   Larousse,Paris, 1973

[12]  –  Nova Enciclopédia Portuguesa- Ed. Ediclube

[13]  –  Enciclopédia Luso Brasileira de Cultura, Ed,  Verbo, 1977. Lisboa

[14]  –  Seabra, A. V., Ed. Arte e Ciência Metalúrgica em   Portugal”, Ed. O. E, 1998

[15]  –  Seabra, A. V., “Metalografia”, Ed. LNEC, 1985

[16]  –  Cahn, R.W. e Haasen, P., “Physical Metallurgy” , North Holland Pb.,1983 

[17]  –  Sagan, Carl, “Cosmos”, ed  Gradiva, 2003

[18]  –  Rykwest. Joseph, Los Primeros Modernos, Ed. Gustavo Gili, Barcelona, 1980

[19]  –  Weidmann, G. et al, Structural Materials,  Butterworth, U.K., 1996

[20]  –  Hull, Dereck,  Fractography, Cambridge Univ.  Press, U.K. 1999.

[21]  –  Gilbert, Armand,. Origens Históricas da Física   Moderna, Fundação Gulbenenkian, 1982

[22]  –  Gordon, J.E., The Science of Structures and Materials, Scientific American Lib., N.Y.   1988

[23]  –  Andresse, C.D. “Huygens” Cambridge Univ.  Press, 2005

[24]  –  Gribbin, John, Science, a History, Penguin Books,  U.K., 2003

[25]  –  Gribbin, John, The Fellowship, the Story of a Revolution  Penguin Books, U.K., 2006

[26]  –  Gordon, J. E.,The New Science of Strong      Materials, Penguin, Books, 1990

[27]  –  Timoshenko, S.P., History of Strength of  Materials, Dover Publications,   N.Y., 1983;

[28]  –  Hertzberg, R.W., Deformation and Fracture  Mechanics of Engeneering Materials, John Wiley,N.Y. 1989

[29]  –   Bryson, Bill, Breve História de Quase Tudo,    Quetzal, 2003.

[30] –  Debus, Allen G., O Homem e a Natureza no  Renascimento, Porto Ed., 2002

[31] –  Hankins, T.L., Ciência e Iluminismo, Porto Editora,  2002

[32] –  Gingras, Yves et al., Do Escriba ao Sábio – Os Detentores do Saber da Antiguidade à Revolução  Industrial, PortoEd,. 2002

[33] –  Costa, A. Amorim,  Introdução à História e  Filosofia das Ciências, Pub.Europa-América,  2002

[34] –  Locqueneux, R., História da Física, Public.Europa- América, 1989

[35] – Faro, Abreu , “Por ocasião do 1º Centenário da Morte  de Hert”, “Técnica” nº1, IST,  Março 1997

[36] –  Bassala, George, A Evolução da Tecnologia, Porto  Editora, 2001

[37] –Chamber’s  Encyclopaedia, Int. Learning Systems, Ld.,  Londre, 18973

[38] –  ASM,  Metals Handbook, vol.12,  9ª ed. Ohio, USA,    1987